Quando imaginamos um casamento na praia, pensamos na brisa fresca no rosto, a linha do oceano, um sunset perfeito, enfim um cenário digno do melhor filme romântico. Mas vamos para a realidade?

Não estou aqui para “destruir” sonhos (até porque sim é possível, quando tens uma organizador de casamentos, por perto, eu.), mas é importante, ter em conta todos os desafios, que o mesmo envolve, para que o teu sonho não se torne um pesadelo.

Vamos imaginar, “uma praia… com entrada restrita aos noivos e convidados…”- NÃO! A praia é um espaço publico e dessa forma, não é permitida a realização de cerimónias religiosas ou civis, sem que os noivos, tenham uma licença para tal.

A licença deve ser requerida à Capitania Regional, entidade responsável pela gestão da orla costeira portuguesa, mas deve ser tratada com muita antecedência, se a cerimónia ainda envolver algum tipo de fogo, por exemplo fogo de artificio, deves solicitar uma autorização, na junta de freguesia.  Lembrando que todas estas licenças, têm custos associados e podem ser recusadas. Em caso de uma cerimónia civil, deves somar o valor da licença de casamento e também a deslocação do celebrante.

Podemos ainda somar a conta, o valor da infraestrutura necessária, para a cerimónia (Ex: cadeiras, sistema de som, necessidade de sombra, etc).

Para tentar evitar algumas dessas chatices e também economizar, podes optar por um restaurante ou hotel bar de praia que contenha uma concessão para tal. Desta forma terás acesso a toda a infraestrutura necessária (Ex: Cozinha, wc, etc). No entanto os olhares curiosos vão estar sempre à espreita.

A conta já vai longa, e não podemos esquecer, que as condições climáticas não são algo garantido, o “timing perfeito” é imprescindível, assim como um plano B.

Uma cerimónia na praia, deve ser pensada para um pequeno número de convidados, pois quanto mais  pessoas envolvidas, maiores serão as dificuldades.

Na realidade os casamentos na praia devem ser evitados, pelo simples facto de que, a praia é um local público e sobre-lotado na época balnear, principalmente aos fins de semana.

Seguem algumas dicas, de alternativa:

  1. Contratar um organizador de casamento: Sim é essencial para que tenhas em mente, a documentação e cada passo a ser tomado. E no caso de um plano B, poderá auxiliar-te em tudo.
  2. Esquece o areal: Opta por um bar de praia ou até mesmo um hotel, com uma boa vista para o mar. Uma boa alternativa, praia fluvial.
  3. Lembra-te dos convidados: Sim é importante, pensar nos teus convidados, as dificuldades que terão de enfrentar. O clima, a falta de estruturas de auxilio próximo, como cozinha ou casas de banho.
  4. Concentrar as atenções: Que memórias queres deixar aos teus convidados? Manter as atenções focadas, para o momento do “sim” podem tornar-se muito difíceis, se a estrutura montada, não lhes trouxer conforto nesse sentido.
  5. Sessão fotográfica: Sim pode ser uma boa opção, realizar apenas a sessão fotográfica na praia. De uma forma leve e descontraída.

Lembrando que refiro-me às condições de Portugal. O ideal seria alugar uma ilha.

Mas e vocês? O que têm a dizer sobre o tema? Casar na praia sim ou não?


 ** Nossa sessão fotográfica na praia após o casamento civil
Partilhar